Reportagens

Meio ambiente faz parte do negócio

Compromisso socioambiental coloca Petrobras no Índice Dow Jones de Sustentabilidade e anuncia parceria com 36 projetos ambientais no Brasil.

Publicado

em


Bazileu
Alves, Chefe de Gabinete do MMA, Ricardo Santos Azevedo e Wilson
Santarosa, diretores da Petrobras, Pedro Leitão, Secretário Geral da
Funbio, e Luiz Fernando Nery, Gerente de Responsabilidade
Socioambiental da Petrobras, participaram da entrevista coletiva. A
Petrobras vai acompanhar de perto cada projeto aprovado e pretende
levar suas ações ambientais para todos países onde atua.

Silvestre Gorgulho,
de Brasília

O meio ambiente recebeu duas ótimas notícias da maior estatal
brasileira, a Petrobras. Primeiro, dia 18 de setembro a empresa passou
a integrar o seleto grupo do Índice Dow Jones Mundial de
Sustentabilidade. Segundo, em encontro solene na sua sede, no Rio de
Janeiro, a Petrobras anunciou o resultado da seleção pública que
selecionou entre 856 projetos apresentados, os 36 que vão receber apoio
formal da estatal no valor de R$ 48 milhões.

O
Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI) é um dos indicadores de
maior confiabilidade mundial para análise de parâmetros de
investimentos e estudos de responsabilidade socioambiental. A partir de
agora, a Petrobras é reconhecida como uma das 11 companhias mundiais de
petróleo e gás e uma das seis empresas brasileiras mais sustentáveis.
No Brasil integram ainda o índice, a Aracruz Celulose, Bradesco, Banco
Itaú, Cemig.
A origem do nome vem de 1884, quando os primeiros
editores do The Wall Street Journal, Charles Henry Dow e Eduard Jones,
formaram uma empresa para divulgar cotações de ações e notícias
econômicas do mercado de Nova York.

O DJSI – Índice Dow Jones de Sustentabilidade foi lançado em 1999. Teve
como proposta servir de referencial para os investidores interessados
em aplicar em ações de empresas que tinham responsabilidade social e
ambiental, promovendo atividades dentro do contexto de desenvolvimento
sustentável. A carteira do índice global tem apenas 318 companhias
(entre mais de 2.500 candidatas) de 58 setores atuando em 24 países.

Projetos selecionados pelo programa

ambiental vão receber R$ 48 milhões

Apenas
três unidades da federação não foram contempladas pelo programa
Petrobras Ambiental: Rondônia, Sergipe e o Distrito Federal. Lançado em
2003, o programa buscou terceirizar, através de um forte apoio
financeiro e institucional da Petrobras, ações de preservação do meio
ambiente. Na sua segunda edição, o programa neste ano de 2006 recebeu
856 projetos e vai investir R$ 48 milhões em projetos que trabalhem com
o tema Água. Além dos projetos escolhidos por seleção pública, o
Programa abrange outras iniciativas que já eram apoiadas pela
Petrobras, como o Brasil das Águas, Baleia Franca, Baleia Jubarte,
Golfinho Rotador, Peixe-Boi e Tartaruga marinha.

Presidido
pelo presidente José Sérgio Gabrielli, com apresentação da artista e
poeta Elisa Lucinda (que recitou duas belas poesias suas “A água deve
ser incolor, inodora / Para que se torne verdadeiramente insípida,
/Para que um copo refresque almas quentes / Sem deixar vermes dentro de
nosso corpos…) a solenidade foi uma verdadeira festa de
confraternização entre executivos da Petrobras, ambientalistas e
jornalistas. Gabrielli, na sua apresentação foi bastante didático e
pé-no-chão: “A atividade produtora de petróleo é importante, pois a
vida moderna depende tanto da água como do óleo. O fato de tirar
petróleo da terra, transportar, refinar e tornar a transportar provoca
impactos ao meio ambiente. Mas o petróleo gera energia, gera
combustível, gera plásticos, gera rodovias asfaltadas, gera emprego,
gera renda e gera desenvolvimento. O que temos que fazer é minimizar os
impactos e defender o máximo o meio ambiente. Para o coordenador da
seleção de projetos, Pedro Leitão, Secretário Geral da Fundação
Brasileira de Biodiversidade, “este investimento em meio ambiente não é
filantropismo, mas faz parte de nossa estratégia de negócios da
Petrobras. Todas empresas deveriam fazer o mesmo”.

Relação dos 36 projetos selecionados
Os projetos escolhidos vão atuar nos biomas Amazônia, Caatinga,
Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal. São mais de 250 municípios
envolvidos em área superior a 900 mil hectares de influência direta dos
trabalhos, que atendem uma população de cerca de 3 milhões de pessoas.

Região Norte

PARÁ
Escola Casa da Virada – Instituição: Instituto Peabiru

ACRE
Gestão de recursos hídricos na micro-bacia do Rio Caeté e Macauã e
afluentes do lago e rio Purus – Instituição: Fundação Amigos da Amazônia
Homem e a floresta, as águas e o solo: integração necessária para a
sustentabilidade da vida na região acreana, Brasil – Instituição:
Fundação Arthur Bernardes – Funabre

TOCANTINS
Proteção dos Recursos Hídricos na Bacia do Rio do Coco – Instituição:
Instituto Ecológica – Palmas

AMAZONAS
Mutirão das águas: conservação e uso sustentável dos recursos hídricos
por meio da gestão compartilhada – Instituição: Conselho Nacional dos
Seringueiros

RORAIMA
Programa Técnico Científico, Didático, Pedagógico na temática ambiental
dos Recursos Hídricos em Boa Vista – Instituição: Fundação Ajuri de
Apoio ao Desenvolvimento da UFRR

Região Nordeste

BAHIA
Sertão Verde – Instituição: APAEB – Associação da Região Sisaleira
Projeto Coral Vivo – Instituição: Associação Amigos do Museu Nacional

PERNAMBUCO
Cultivo de macrolagoas marinhas no litoral – Instituição: Fundação de
Apoio ao Desenvolvimento da UFP
Mapas de Pesca: identidade e pertença, uma contribuição ao ordenamento
pesqueiro do Estado de Pernambuco – Instituição: Centro de Estudos
Josué de Castro

MARANHÃO
Projeto Cetáceos do Maranhão – Instituição: ICEP – Instituto Ilha do Caju

ALAGOAS
Projeto Pilar – ações integradas para gestão ambiental e proteção dos
recursos hídricos – Instituição: Eco-Engenho de Tecnologia Aplicada ao
Desenvolvimento Sustentável

PIAUÍ
A água e o berço do homem americano – Instituição: Fundação Museu do Homem Americano

PARAÍBA
Água – fonte de alimento e renda – alternativa sustentável para o
semi-árido – Instituição: CERTI – Fundação Centro de Referência em
Tecnologias Inovadoras

CEARÁ
De olho na água – Instituição: Fundação Brasil Cidadão.

RIO GRANDE DO NORTE
Rio Apodi / Mossoró: integridade ambiental a serviço de todos –
Instituição: Fundação Guimarães Duque

Região Centro-Oeste

MATO GROSSO DO SUL
Projeto Demonstrativo de Recuperação de Matas Ciliares no Rio Mimoso –
Instituição: Instituto das Águas da Serra da Bodoquena

GOIÁS
Águas do Cerrado – Instituição: Associação dos Assentamentos do Projeto Novo Oriente

MATO GROSSO
De adversários a parceiros: união dos povos da floresta para a proteção
dos formadores do Madeira – Instituição: Sindicato dos trabalhadores
rurais de Aripuanã

Região Sudeste

SÃO PAULO
Ribeirão Tanquinho Vivo – Mobilização e Educação Ambiental como
Instrumentos de Gestão Ambiental – Instituição: S.O.S. Cuesta de
Botucatu
Arandu Porá: Educação e sabedoria da Mata Atlântica e das águas entre
os Guarani – aldeia Krucutu – Instituição: Associação Guarani NHE’E PORÃ
Água de beber, de comer, de usar e conservar – ciclos contínuos –
Instituição: Associação super eco de desenvolvimento da criança
De Olho nos Rios – Instituição: Assoc. Mata Ciliar
Conhecimentos escolares relacionados à ciência, à sociedade e ao
ambiente em micro-bacia urbana – Instituição: Fund. de Desenvolvimento
da Unicamp

MINAS GERAIS
Caminho das águas – proposta para o semi-árido – Instituição: Banco de
Êxito S.A. – Solidariedade e Autonomia

ESPÍRITO SANTO
Resgate da qualidade de vida de uma comunidade rural: sub-bacia do
córrego Caxixe – Instituição: O Instituto Ambiental

RIO DE JANEIRO
Planejamento estratégico da região hidrográfica dos rios Guapi-Macacu e
Caceribu-Macacu – Instituição: Fundação Euclides da Cunha
Gestão Socioambiental de Reserva Extrativista Marinha para o
Ecodesenvolvimento – Instituição: Fundação COPPETEC
Novo Horizonte 1 – Instituição: Floresta Brasil

Região Sul

RIO GRANDE DO SUL
Gestão Sustentável das Lagoas Costeiras do Litoral Médio e Sul –
Instituição: Fundação Universidade de Caxias do Sul
Projeto Peixe Dourado – Instituição: UNISINOS

SANTA CATARINA
Serra do Mar – Água e vida – Instituição: Instituto Rã-Bugio para
conservação da biodiversidade
Tecnologias Sociais para a Gestão da Água –
Instituição: Fundação de Amparo a Pesquisa e a Extensão Universitária

PARANÁ
Águas em Movimento – Instituição: Associação Regional do Cooperação
Agrícola do Contestado e mais cinco entidades parceiras

Projeto Regional

SANTA CATARINA E SÃO PAULO
Passageiros do vento e trabalhadores do mar: Conservação de aves
marinhas e pesca oceânica no Brasil – Instituição: Instituto Albatroz

Projeto Nacional

Meros
– Estratégias para a conservação de ambientes costeiros e marinhos do
Brasil – Instituição: Associação de Estudos Costeiros e Marinhos de
Abrolhos

 

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Com 10% de umidade do ar, DF entra em alerta vermelho

Registro foi feito em uma estação do Inmet do Gama no domingo (19) acompanhado de termômetros marcando mais de 30º. Atenção às dicas da Defesa Civil

Publicado

em

A situação crítica favorece também a ocorrência de incêndios. A queimada de lixo ou qualquer atividade com fogo merece atenção | Fotos Joel Rodrigues/ Agência Brasília
MARLENE GOMES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: ROSUALDO RODRIGUES

O Distrito Federal está em estado vermelho com relação à baixa umidade do ar. Isso significa que a região entrou no estado de emergência, depois de apresentar níveis críticos, como o índice de 10º registrado no Gama, neste domingo (19). O alerta é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O alerta somente é emitido quando a umidade do ar fica abaixo de 12%. Nessa situação, existe grande risco de ocorrências de incêndios florestais. Também é preciso redobrar os cuidados com a saúde porque aumentam os riscos de doenças respiratórias e das pessoas apresentarem dores de cabeça, sangramento do nariz e secura nos olhos, entre outros problemas.

Apesar de parecer pior do que nos anos anteriores, o chefe da Defesa Civil do DF em exercício, tenente coronel do Corpo de Bombeiros Rossano Bohnert, garante que a baixa umidade e o calor são semelhantes e comuns neste período de final da seca.

 

Valem as dicas de sempre: hidratação constante, evitando a prática de esportes e a exposição ao sol nos períodos mais críticos do dia – além de uma alimentação mais balanceada

 

Enquanto isso, valem as dicas de sempre: hidratação constante, evitando a prática de esportes e a exposição ao sol nos períodos mais críticos do dia – além de atenção a uma alimentação mais balanceada, sempre que possível. “Sabemos que o consumo de alimentos leves, como saladas, frutas e legumes, ajuda na digestão e dá mais disposição para suportar o calor e ar mais rarefeito”, explica Bohnert.

O Inmet prevê chuvas para a próxima semana, o que ainda não está confirmado.

 

Primavera

Nesta quarta-feira (22), começa oficialmente a primavera. As chuvas esperadas na estação trazem o clima mais ameno, que caracteriza o período. “Por enquanto, o clima deve continuar do mesmo jeito até quarta-feira (21). Vai predominar o calorzão e a secura. Só teremos possibilidade de chuvas lá para quinta-feira (23)”, explica a metereologista Naiane Araújo, do Inmet.

Com a temperatura máxima passando da casa dos 30º e a baixa umidade do ar, na capital federal, é importante que a população redobre os cuidados. A cartilha que o brasiliense não pode esquecer indica que é preciso beber bastante líquidos, evitar a exposição ao sol nas horas mais quentes do dia, usar hidratante na pele e procurar umidificar o ambiente.

A situação crítica favorece também a ocorrência de incêndios. A queimada de lixo ou qualquer atividade com fogo merece atenção. Os fumantes devem ter o cuidado de não jogar no chão as bitucas de cigarro. Esse hábito torna-se muito perigoso, principalmente nas margens de vias e rodovias. Qualquer pessoa que observar um foco de incêndio deve comunicar ao Corpo de Bombeiros, pelo número 193.

 

Mensagens de alerta

A Defesa Civil, da Secretaria de Segurança Pública do DF, faz o monitoramento dos alertas emitidos pelo Inmet. O órgão, então, envia mensagens advertindo sobre o tempo e a prevenção de riscos para os moradores cadastrados.

Para se cadastrar no serviços de alerta da Defesa Civil, o interessado deve enviar uma mensagem de texto para o número 40199, com o Código de Endereçamento Postal (CEP) da região.

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Energias renováveis ajudam no combate à desigualdade social no Brasil

Publicado

em

 

*Cristiana Nepomuceno Soares
 

Por conta da grande extensão territorial e da diversidade de biomas, o Brasil conta com uma variedade de recursos naturais – o que proporciona um maior investimento em uma matriz energética limpa. Mas, a realidade atual reflete um cenário adverso ao esperado. É em meio à crise climática e à pandemia de Covid-19, que a necessidade de renovação da matriz energética evidenciou  um problema que o país enfrenta nas diferentes esferas: a desigualdade social.

É cada vez mais evidente que, não é mais possível alimentar essa disparidade. Enquanto os demais países caminham para a expansão de políticas que reafirmam o compromisso ambiental, o Brasil caminha no oposto, já que ainda depende de combustíveis fósseis para geração de energia –  o que coloca o país em desvantagem.

Com o agravamento da crise climática e a urgência da agenda ambiental ser alinhada, na prática, com um discurso sustentável, fica cada vez mais evidente que o futuro da energia passa pela matriz limpa e sustentável – o que desempenha um papel fundamental no setor  elétrico.

Lacuna social

De acordo com os dados divulgados pela Agência Internacional de Energia Renovável (International Renewable Energy Agency – Irena), em paralelo à queda no investimento de óleo e gás, as energias renováveis apresentaram recorde de investimentos no primeiro trimestre de 2020 (em meio a pandemia de Covid-19). Embora os recursos renováveis estejam frequentemente ligados às pautas ambientais e a busca por um futuro sustentável, o uso desses recursos reflete no desenvolvimento econômico e social do país.

Um maior aproveitamento das energias renováveis não engloba apenas a transição energética do país, mas também caminha como ferramenta de igualdade social. Recentemente, o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Reive Barros, divulgou que, atualmente, o país tem 83% de sua matriz elétrica originada de fontes renováveis. Agora, é preciso promover políticas que reforcem o uso de energias renováveis de forma eficiente e que funcionem com a economia global.

O Brasil ainda precisa lidar com um de seus principais entraves nas questões ambientais: entender que um meio ambiente preservado é um direito de todo cidadão e que a utilização de recursos naturais impulsionam o desenvolvimento socioeconômico. Por muitas vezes, esse discurso de sustentabilidade é visto como obstáculo e não como um potencial a ser desenvolvido: a competitividade industrial. A produção industrial de baixo carbono gera empregos em grande escala e o país possui recursos para o investimento em insumos de baixo carbono.

Há, ainda, o fator mais colaborativo para esse cenário. No Brasil, as regiões de maior potencial para fontes de energia eólica e solar são os municípios que possuem um baixo IDH. Consequentemente, apostar e investir nessas localidades é uma potencial ferramenta de combate à desigualdade social.

Sobre a Dra. Cristiana Nepomuceno de Sousa Soares

É graduada em Direito e Biologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Pós-Graduada em Gestão Pública pela Universidade Federal de Ouro Preto- MG. Especialista em Direito Ambiental pela Universidade de Alicante/Espanha. Mestre em Direito Ambiental pela Escola Superior Dom Helder Câmara.

Foi assessora jurídica da Administração Centro-Sul da Prefeitura de Belo Horizonte, assessora jurídica da Secretaria de Minas e Energia- SEME do Estado de Minas Gerais, consultora jurídica do Instituto Mineiro de Gestão das Águas- IGAM, assessora do TJMG e professora de Direito Administrativo da Universidade de Itaúna/MG. Atualmente é presidente da Comissão de Direito de Energia da OAB/MG.

 

 

Continue a Ler

Reportagens

A escola ideal é o tema do Quinto Desafio

Desafio global incentiva o conhecimento de jovens sobre sustentabilidade, economia circular e cidades circulares; Inscrições continuam abertas e participantes novos ainda podem competir em três desafios;

Publicado

em

 

Está no ar a quinta etapa do PlayEnergy, desafio global promovido pela Enel Spa para incentivar o conhecimento de jovens sobre sustentabilidade, economia circular e cidades circulares. Com o tema “Torne a escola digital”, o quinto desafio propõe que as equipes projetem a escola ideal. Com prêmios que podem chegar a 2000€, podem se inscrever estudantes com idades entre 14 e 20 anos, sozinhos ou em equipes de até 3 pessoas, através do site: https://playenergy.enel.com/ Não é necessário ter participados dos outros desafios para competir nessa etapa. Ainda é possível participar de três desafios, que estarão no ar nos próximos três meses, além do Final Online Challenge.

 

Em uma cidade circular, todas as escolas têm baixo impacto ambiental e foram projetadas a partir de critérios sustentáveis. Os participantes deverão imaginar como é a escola que eles desejam, incluindo iniciativas que sejam relevantes para o dia a dia da comunidade escolar e para a cidade em seu entorno. Lembrando sempre de colocar em prática conceitos de economia circular e desenvolvimento sustentável.

 

As Equipes são convidadas a criar seus projetos utilizando as ferramentas disponibilizadas no site do evento. Todas as Equipes que completarem o projeto ganham 100 pontos e os projetos serão colocados para votação, ganhando pontos extras pelos votos recebidos. Os membros da equipe podem também compartilhar seus projetos nas redes sociais, para incentivar a votação. Nove equipes serão premiadas no ranking mensal, com prêmios que vão de 75 euros a 150 euros em compras online. Em caso de empate, para determinar o ranking mensal, será considerada vencedora a equipe que tenha obtido primeiro a pontuação que levou ao empate.

 

Entenda o PlayEnergy

Nesta edição do PlayEnergy, poderão participar estudantes com idades entre 14 e 20 anos e professores de sete países: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Grécia, Itália e Peru. Participantes poderão se inscrever sozinhos ou em equipes de até 3 pessoas e ganhar pontos extras com outras atividades pelas redes sociais. Serão sete desafios ao longo de sete meses e um desafio final, o Final Online Challenge, com foco no conceito de Cidade Circular. Inscrições podem ser feitas através do site https://playenergy.enel.com/.

 

A PLAYENERGY é uma iniciativa global da Enel Spa, multinacional de energia e um player integrado líder nos mercados globais de energia e energias renováveis, em parceria com a Campus Party. Para mais informações sobre participação, desafios e premiação, veja o regulamento do concurso no site https://playenergy.enel.com/br/assets/pdf/rules.pdf

 

Sobre a Enel Brasil

A Enel atua no Brasil com geração, distribuição e transmissão de energia por meio da Enel Brasil e suas subsidiárias. Em distribuição, o Grupo atende mais de 17 milhões de clientes por meio de suas subsidiárias brasileiras em São Paulo, Ceará, Rio e Goiás. No setor de geração, o Grupo Enel é o maior produtor de energia solar e eólica do país em capacidade instalada e portfólio de projetos com uma capacidade instalada total de 3,4 GW, dos quais 1.210 MW são eólicos, 979 MW solares e 1.269 MW hidrelétricos. No país, o Grupo também possui e opera duas linhas de transmissão com uma capacidade total de 2.200 MW conectando o país à Argentina. A estratégia de atuação da Enel é baseada no seu Plano de Sustentabilidade e nos compromissos assumidos com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU. Globalmente, a Enel está presente em mais de 30 países, com cerca de 74 milhões de clientes finais corporativos e residenciais em distribuição de energia.

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010