Reportagens

Whalewatching – Show na Bahia! De baleias

Não é só axé, carnaval e acarajé que atraem turistas. Ás águas quentes do litoral baiano atraem baleias jubarte que maravilham ecoturistas do mundo inteiro

Publicado

em

Silvestre Gorgulho, da Praia do Forte


Tudo nela é descomunal. Adulta, pode medir até 16 metros. Seu peso chega a 40 toneladas. Seu filhote já nasce com três metros, pesando algumas toneladas. E mama cerca de 200 litros de leite por dia. Mesmo estando entre os maiores cetáceos do mundo, ela é extremamente dócil. Tão grande e tão dócil que quase chegou à extinção pela facilidade com que é caçada. Até 1986, os navios baleeiros a caçavam indiscriminadamente aos milhares. Esquartejadas em instalações próprias chamadas “armação” eram retiradas a carne, a gordura e o osso. A caça de baleias era uma atividade de grande retorno econômico. O óleo era matéria prima preciosa, utilizado na iluminação. No século 17 e 18, as avenidas do Rio de Janeiro, Salvador e Recife e muitas outras cidades eram iluminadas com óleo de baleia. Também lamparinas e lampiões caseiros utilizavam o óleo que era, ainda, usado para se fazer argamassa para construção de casas. Barbatanas, ossos e dentes eram fundamentais na indústria de botões, gurada-chuvas e até na confecção de espartilhos e sutiãs. Pelo alto valor econômico, eram caçadas ao extremo. A população de baleias caiu de mais de 300 mil para cerca de 35 mil indivíduos. Um massacre que provocou a ira de ambientalistas e que levou o governo brasileiro a tomar medidas de proteção.



O litoral brasileiro foi palco de muita caça de baleia jubarte. Milhares delas foram mortas porque representavam um produto de alto valor econômico. Dóceis, indefesas e alvo fácil pelo tamanho, os pescadores baleeiros não perdiam viagem. Com poderosos e certeiros arpões, estes cetáceos eram caçados ao buscar as águas quentes do litoral brasileiro, vindos do Pólo Sul, para reprodução. Em 1966, a Comissão Internacional da Baleia (CIB) proibiu a caça de baleias, e em 1986, passou a vigorar uma moratória mundial da caça comercial de baleias. Atualmente, apenas Japão, Noruega e a Islândia violam a proibição.
O Brasil aderiu à medida proibitiva com decreto assinado pelo então presidente José Sarney, em 1986. Desde 1987, há uma lei federal que proíbe a caça de baleias em território nacional. O Brasil é hoje um dos mais importantes defensores destes mamíferos marinhos no cenário internacional.
Além disso, a baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) consta da lista do Ibama de espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção e do apêndice I da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Flora e Fauna Selvagens-CITES, além de constar na categoria vulnerável da IUCN (World Conservation Union).


O Instituto e o turismo de observação de baleias







É uma cena inesquecível ver a tranqüilidade de uma baleia que parece se exibir aos turistas

Há 17 anos, o Instituto Baleia Jubarte – IBJ é responsável pela proteção da espécie no Brasil, em parceria com o Ibama. Para 2005, o Instituto, que é patrocinado pela Petrobras, enfrenta dois novos desafios – implantar o turismo de observação de baleias nas cidades de Salvador e Itacaré, e dar continuidade ao já bem sucedido monitoramento desenvolvido na Praia do Forte (litoral norte), em Prado e Caravelas (sul).
Na temporada de 2004, com a atividade do turismo de observação de baleias e de pesquisa, técnicos do IBJ avistaram 1.326 baleias. 796 foram observadas em Abrolhos, no extremo sul do Estado, e 530 na Praia do Forte, ao norte de Salvador.


Whalewatching
O aumento expressivo do número de baleias avistadas no litoral norte da Bahia permitiu ao IBJ, em parceria com empresas de turismo da região, introduzir o turismo de observação de baleias, também conhecido por whalewatching.
O turismo de observação é uma das atividades ecoturísticas que mais cresce no mundo, por permitir aos turistas o contato com os animais em seu habitat natural.
Os pesquisadores do Instituto aproveitam os cruzeiros do turismo de observação de baleias para colher dados científicos, observar o comportamento das jubarte e sua interação com as embarcações.


Ecoturismo
Além da foto-identificação e do monitoramento do turismo de observação de baleias, o IBJ também realiza outras atividades. Tais como: registro e resgate de animais encalhados nas praias do litoral da Bahia, censo aéreo, análises genéticas e de poluentes, estudos de comportamento e do canto das baleias, estimativas populacionais e da distribuição das baleias jubarte, e estudos sobre a ecologia dos botos cinza (Sotalia guianensis) e sua interação com barcaças que transportam celulose no extremo sul do litoral da Bahia.
Além das pesquisas, os técnicos do IBJ realizam atividades de Educação Ambiental com estudantes, pescadores, e moradores das comunidades do litoral norte e do município de Caravelas, no extremo sul da Bahia, onde está situada a sede nacional do instituto.
Em Caravelas, o Instituto também é responsável pelas atividades de Educação Ambiental no entorno do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, na Área de Proteção Ambiental (APA) da Ponta da Baleia e nas comunidades próximas à Reserva Extrativista de Corumbau.
Além de apoiarem várias atividades junto à comunidade, como a Festa da Baleia, realizada sempre no final da temporada, em novembro. Há, ainda, o Patrulha Ecológica, que atende cerca de 30 adolescentes.


Mais informações:
Os interessados em participar dos cruzeiros de avistagem de baleias jubarte no litoral da Bahia, podem contactar as seguintes operadoras, que trabalham em parceria com o IBJ, e parte da renda arrecadada com o whalewatching é destinada ao trabalho de conservação das baleias jubarte:
Salvador e Praia do Forte:
www.prdoforte.com.br/ (71) 3676-1091 e 8802-8156
Itacaré: ecotrip@ecotrip.tour.br tel: (73) 3251-2191
Caravelas: abrolhosturismo@uol.com.br
tel: (73) 3297- 1149 e (73) 3297-1332
Instituto Baleia Jubarte www.baleiajubarte.com.br
tels: (71) 3676-1463 / 8127- 8983 (73) 3297-1340 / 8102-4058
Hotel: EcoResort & Thalasso Spa
www.ecoresort.com.br fone: (71) 3676-4000


Espécies de baleias







Espetáculo de encher os olhos no turismo de observação de baleias: o filhote e a mãe encantam ambientalistas e turistas

Qualquer um dos mamíferos marinhos denominados cetáceos recebe o nome de baleia ou golfinho. Há uma diferença básica de outros mamíferos como a foca e o leão marinho: as baleias passam toda vida na água. Outro dado: as espécies que têm mais de 4 metros de comprimento são chamadas baleias, enquanto as espécies menores formam o grupo dos golfinhos.


1. Baleia-jubarte, também chamada baleia-corcunda, é a baleia mais bem conhecida de todas as existentes. Realiza migrações entre as águas polares e as subtropicais. No pólo, é onde se alimenta no inverno, enquanto no trópico dá à luz a sua única cria, que na época da caça era denominada baleote. Pode alcançar 16m de comprimento e o dorso é arqueado ou corcunda (daí seu nome). Costuma saltar no ar, por cima da água, deixando visível todo o seu corpo. Gosta de se alimentar de krill e pequenos peixes, abrindo a boca e engolindo toneladas de água junto com eles. Depois, empurram com a língua a água para dirigi-la com força até as barbatanas, que atuam como peneira, retendo o alimento e expulsando a água. Classificação científica: família dos Balenopterídeos, sub-ordem dos Misticetos, ordem dos Cetáceos. É classificada com o nome científico de Megaptera novaeangliae.


2. Baleia-azul é o maior animal existente na Terra. Pode superar um comprimento de 30 metros. O corpo é cinza, com manchas pálidas, cuja disposição é diferente em cada indivíduo. São uma espécie de impressões digitais. A tonalidade azul aparece quando está submersa e o dia é ensolarado. A espécie se alimenta de plâncton e peixes. De maneira semelhante ao resto das baleias com barbatanas, abre a boca para deixar entrar a maior quantidade de água possível, força a água para que passe pelas barbatanas e o alimento fica preso. Classificação científica: família dos Balenopterídeos, sub-ordem dos Misticetos, ordem dos Cetáceos. Recebe o nome científico de Balaenoptera musculus.


3. Baleia-cinza é de tamanho médio e habita somente a zona norte do oceano Pacífico. Não ocorre no Brasil. É um dos mamíferos que realiza uma das migrações mais longas, pois percorre uma distância de 10.000 km desde as baías do norte do México, onde a fêmea pare sua cria no inverno, até o norte do mar de Behring, onde se alimenta, no verão, de invertebrados que filtra com suas barbatanas. Também possui sua impressão digital, pois a pele, salpicada de cor negra, cinza e branca, forma um desenho característico que permite diferenciar cada indivíduo. Classificação científica: é a única espécie vivente da família dos Escrictídeos, sub-ordem dos Misticetos, ordem dos Cetáceos. É classificada como Eschrichtius robustus.


4. Baleia-franca pertence à família dos Balenopterídeos, sub-ordem dos Misticetos (baleias de barbatanas). Entre os cetáceos que freqüentam os mares do Brasil, é um dos mais fáceis de se observar, pois aproxima-se muito da costa, na época de reprodução e criação dos filhotes. Esse período vai de junho a novembro. Dóceis e lentas, foram caçadas até quase a extinção. Classificação científica: é a espécie Eubalaena australis. A baleia franca do hemisfério Norte é a Eubalaena glacialis.


5. Baleia Beluga é de cor branca e pertence ao grupo das baleias dotadas de dentes. Não ocorre no Brasil. Tem aletas curtas e se movimenta em bandos. Pode emitir muitos tipos de sons. Além disso, emite ultra-sons, pois tem um sonar. Originária das regiões árticas, elas também são chamadas de golfinho branco. Classificação científica: família dos Monodontídeos, sub-ordem dos Odontocetos, ordem dos Cetáceos. Classifica-se como Delphinapterus leucas.


6. Cachalote é a maior baleia dentro do grupo dos cetáceos com dentes (Odontocetos). Vive em todos os oceanos, exceto na zona ártica. Os cachalotes são migratórios, dirigem-se para o equador durante a época de reprodução e vão para latitudes mais elevadas para se alimentar. São facilmente reconhecidos: têm uma cabeça retangular enorme. Apresentam dentes cônicos e grandes apenas na mandíbula inferior.


7. Baleia Minke anã (Balaenoptera acutorostrata) tem coloração cinza com peitorais brancas. Pode chegar a 8 metros e pesar 6,5 toneladas. É a menor de todas as baleias e a mais abundante. São animais migratórios e cosmopolitas. Possuem um borrifo mais discreto e não costumam formar grandes grupos.


8. Baleia Minke antártica (Balaenoptera bonaerensis) tem coloração cinza no dorso e branco no ventre. Pode chegar a 11 metros e pesar 10 toneladas. Só ocorre em território antártico e foi uma das mais caçadas. Também são animais migratórios e cosmopolitas e possuem um borrifo mais discreto. Não costumam formar grandes grupo.


VOCÊ SABIA?


01. Com 34 metros de comprimento e pesando 170 toneladas, essa foi a maior baleia caçada até hoje. Uma baleia-azul fêmea.


02. Uma baleia pode chegar a três vezes o tamanho de um dinossauro. Portanto elas são os maiores animais existentes.


03. O desenvolvimento de uma baleia só é possível porque a água suporta o peso contra a força da gravidade, o que não acontece com os animais terrestres.


04. Um filhote que nasce com mais de três metros de comprimento, é amamentado por quase um ano e quando desmama já possui cerca de 9 metros.


05. Uma baleia vive cerca de 50 anos.


06. A baleia Cachalote é a única fonte mundial de âmbar-cinzento, matéria básica para indústria de perfumes caros. Elas se alimentam da lula gigante. Como nunca conseguem digerir os bicos duros da lula, estes permanecem em seus aparelhos digestivos produzindo uma substância escura e fétida: o âmbar-cinzento, que é a melhor substância conhecida para conservar o aroma dos perfumes.


07. Nos séculos 18 e 19, o óleo de baleia era usado para iluminação e para lubrificação. E, na Europa, o óleo é usado na manufatura de 50% da margarina.


08. As barbatanas eram usadas na confecção de quarda-chuvas, serviam de chicotes, davam resistência e elegância aos espartilhos e sutiãs. Dentes de baleias são usados para se fazer teclas de piano e botões.


09. As baleias têm boa visão. Mas as baleias com dentes possuem um sistema de orientação adicional: soltam sons agudos na água e, graças aos ecos de retorno, podem localizar com precisão qualquer corpo sólido.


10. As tecnologias desenvolvidas para uso do petróleo e do plástico acabaram por salvar muitas baleias: partes do animal foram sendo substituídas por produtos sintéticos. Permanece o interesse na carne para alimento.


Summary


Whale show in Bahia
Axé music, carnival, and typical food, such as acarajé, are not the only things that attract tourists to Bahia. Hot springs in the Bahian bay area attract whales and leave ecotourists from all over the world awestruck.


Everything about the humpback whale is overstated. They can reach 16 meters in length as adults. Its weight can be as much as 40 tons. Their babies are born 3 meters in length and weigh a few tons. They consume around 200 liters of milk per day. Even though they are among the largest of the cetaceous in the world they are extremely docile. So large and so docile they nearly became extinct because they were easy to capture. Up until 1986 thousands of these whales were killed indiscriminately. Butchered, in places set up specifically for this purpose, where their meat, fat, and bones were removed. Whaling was a profitable activity. The oil was a precious raw material used in lighting. In the 17th and 18th century, the avenues of Rio de Janeiro, Salvador, Recife, and many other cities were lit by whale oil. It was also used for oil lamps in homes and in house construction materials. Fins, bones, and teeth were important in the button, umbrella, and even bra industry. Because of its high market value, they were hunted to the extreme. The whale population fell from over 300 thousand to 35 thousand. A massacre that fueled the anger of environmentalists and led the Brazilian government to take protectionist measures.
For 17 years, the Instituto Baleia Jubarte – IBJ, in conjunction with IBAMA, is responsible for the protection of the species in Brazil. In 2005, the Institute, which is funded by Petrobras, faces two new challenges: to implement whale watching tourism in the cities of Salvador and Itacaré, and to continue the already successful monitoring activity, developed in the Praia do Forte (north coast), in Prado and Caravelas (south).
In the 2004 season, with whale watching tourism and research activity, technicians from IBJ sighted 1,326 whales. Of these, 796 were sighted at the Banco de Abrolhos, in the southern most part of the state, and 530 at the Praia do Forte.


Márcia Engel – ENTREVISTA


Whalewatching – O fascínio das baleias


Silvestre Gorgulho – da Praia do Forte
Gaúcha de Porto Alegre, Márcia Engel iniciou seus trabalhos com baleias em 1992, a convite do Chefe do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos na época, Júlio Gonchorosky. Ela havia sido estagiária em 1990 e, quando se formou em Ciências Biológicas, em 1991, recebeu o convite. “Esse trabalho é minha paixão. Dá sentido à minha vida”, costuma dizer. Em 1996, ela ajudou a criar o Instituto Baleia Jubarte, ONG que passou a dar o suporte administrativo e financeiro às ações de conservação e pesquisa das jubartes. Atualmente, Márcia Engel é diretora do projeto.


Folha do Meio – Em 1986, o então presidente José Sarney proibiu a caça de baleias no Brasil. Como o Brasil venceu o lobby dos caçadores?
Márcia Engel –
Em 1987, a Lei 7643 proibiu a caça de cetáceos em águas jurisdicionais brasileiras. Este foi realmente um passo importante, para um país que até então ainda mantinha uma estação baleeira em Costinha, na Paraíba, e cujos representantes participavam das reuniões da Comissão Internacional da Baleia [CIB] para defender a caça comercial de baleias.
Os baleeiros foram vencidos pela maior campanha mundial pró-conservação de que se tem notícia, que foi exatamente a campanha pelo fim da caça das baleias e implementação da moratória internacional que vigora até os dias de hoje.


FMA – Você sempre diz que o Brasil trocou os arpões pelas máquinas fotográficas. Além da força de proteção ambiental, há outras vantagens?
Márcia –
Sim, está comprovado que uma baleia viva gera muito mais renda para as comunidades adjacentes à sua área de ocorrência do que no prato de um japonês ou norueguês.
O turismo de observação de baleias gera mais de 1 bilhão de dólares/ano em 90 países. Segundo pesquisadores da Massey University, uma baleia jubarte viva, ao longo de 50 a 60 anos de vida, promove cerca de 1 milhão de dólares para operadores turísticos, hotéis, lojas, e restaurantes da comunidade local. Nos mercados japoneses, os produtos derivados de uma baleia caçada proporcionam cerca de 250 mil dólares. A renda, que no período da caça se concentrava nas mãos de poucos, é melhor distribuída no turismo de observação de baleias.
No Brasil esta modalidade turística surgiu na década de 90, com o turismo de observação das baleias jubarte no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos. Ele encontra-se em franco processo de desenvolvimento, com grande potencial, principalmente na Bahia, com as jubarte, e em Santa Catarina, onde ocorrem as baleias da espécie franca.
Na Praia do Forte, somente em 2004, 1.300 visitantes participaram de passeios para observação destas baleias. A utilização das baleias, pelo turismo, constitui ainda uma ferramenta muito interessante de sensibilização do grande público para a conservação marinha.


FMA – Dá para fazer, ano a ano, uma retrospectiva sobre a situação das baleias jubartes no Brasil, desde 1986?
Márcia –
Quando o Projeto Baleia Jubarte foi criado, em 1988, havia uma pequena população de baleias jubarte concentradas na região de Abrolhos. Foi o que restou após anos de caça comercial realizada no Brasil e em vários outros países, que levou à beira da extinção quase todas as populações de grandes baleias.
As jubartes foram intensamente caçadas ao longo da costa do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Paraíba. Na cidade de Caravelas, ponto mais próximo no continente do arquipélago dos Abrolhos, a caça de jubartes constituiu importante fonte de renda local até 1939.
Durante os trabalhos de implantação do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, em 1987, foi constatada a presença destes animais e a necessidade de se iniciar um projeto de conservação, que garantisse não apenas sua sobrevivência, como recuperação populacional, diante de uma série de impactos antrópicos a que estes animais estão submetidos no ambiente marinho.


FMA – E depois de 1988?
Márcia –
A população de baleias jubarte iniciou um processo de recuperação lenta, mas gradual. Hoje, cenas de jubartes saltando a poucas milhas da praia, na região de Salvador, têm se tornado cada vez mais freqüentes, assim como em vários outros pontos da costa da Bahia e Espírito Santo.
O Instituto estima que ao menos quatro mil baleias desta espécie busquem as águas da Bahia e Espírito Santo todos os anos, durante a temporada reprodutiva, entre julho e novembro.


FMA – Você participa, pelo Brasil, da Comissão Internacional da Baleia, órgão que regulamenta a caça das baleias. Como funciona esta comissão?
Márcia –
A Comissão é formada por 45 países, que se reúnem anualmente para discutir a caça e conservação de baleias. Atualmente está em vigor uma moratória internacional, que proíbe a caça comercial de baleias no mundo.
A Comissão é dividida em Comitê Científico – onde são discutidos os aspectos técnico-científicos relacionados à caça, subsidiando a tomada de decisões pelos governos dos distintos países baleeiros e conservacionistas – e a Plenária, onde cada país tem direito de voto e são deliberadas questões de regulamentação e funcionamento da Comissão e aplicação da moratória.


Márcia Engel: O Brasil luta para criar o Santuário de Baleias do Atlântico Sul


FMA – Quando foi a última reunião da Comissão e quais os temas tratados?
Márcia –
A última reunião ocorreu em junho de 2005, em Ulsan, Coréia do Sul. A Comissão Internacional da Baleia se reúne anualmente para discutir a moratória internacional da caça às baleias, e neste item estão contempladas a caça de subsistência ainda praticada por populações aborígenes, a caça para fins científicos, a criação de santuários de baleias para proteção integral das espécies.
O subcomitê sobre turismo de observação de baleias [whalewatching] discute o uso não-letal de cetáceos para a geração de renda para as comunidades locais e é um dos temas fortemente apoiados pelo Brasil.
Em 2004 foi criado o Comitê de Conservação, subsidiado pelo bloco de países pró-conservação e que constitui uma importante vitória para países como o Brasil. O Brasil participou do Comitê Científico gerando informações sobre whalewatching, estimativas populacionais e genética de jubartes, impactos antrópicos em cetáceos, e pesquisa de pequenos cetáceos. A delegação brasileira reapresentou a proposta de criação do “Santuário de Baleias do Atlântico Sul”, bem recebida no Comitê Científico, mas não aprovada na Plenária devido à clara polarização dos países-membros da CIB em dois blocos, um pró-caça e outro a favor da conservação, o que dificulta muitos avanços e o estabelecimento de diretrizes sobre os temas tratados.


FMA – O mundo tem discutido muito a questão do ecoturismo para observação de aves e baleias. O whalewatching tem outras importâncias?
Márcia –
É uma ferramenta fantástica de sensibilização da opinião pública a favor da conservação, não apenas das baleias, mas do ecossistema marinho como um todo.
O espetáculo de uma baleia de 40 toneladas projetando ¾ de seu corpo para fora d’água através de um salto ou a tranqüilidade de uma fêmea com seu filhote recém nascido, um “bebezinho” que já pesa cerca de duas toneladas e mede em torno de 4m de comprimento, são cenas inesquecíveis. A imagem promove uma verdadeira sensibilização aos observadores. É considerada a melhor forma de se conseguir mais adeptos contra à caça comercial de baleias.


FMA – Com a proteção internacional e o aumento considerável da população das baleias, esse movimento a favor das baleias e contra a caça pode perder a força?
Márcia –
Ao contrário, o caminho ainda é bastante longo. Apesar da aparente recuperação de várias populações de baleias, elas ainda estão muito aquém dos números existentes antes da caça.
No Brasil, as populações de francas e jubartes foram praticamente dizimadas, a ponto de não se ter mais notícia destes animais durante vários anos. Estimativas recentes (e ainda incertas) indicam que a atual população de jubartes brasileiras é de aproximadamente de 25% da população original. Os encalhes decorrentes de atropelamento por embarcações, emalhamento em redes de pesca, contaminação e ensonificação do ambiente marinho, precisam ser monitorados e minimizados para que se consiga garantir a sobrevivência e recuperação destes animais.
O Japão pretende iniciar a caça “científica” desta espécie ainda em 2005, utilizando como principal argumento sua recuperação populacional, mas desconsiderando as pressões antrópicas a que a espécie está sujeita e a incerteza das estimativas do tamanho das populações.


Summary


Márcia Engel – Interview
Márcia Engel, from Porto Alegre, began working with whales in 1992 when Júlio Gonchorosky, the Director of the Parque Nacional Marinho dos Abrolhos at the time, invited her on board. She had been an intern in 1990 and when she graduated with a degree in Biology in 1991, received the invitation. “This job is my passion. It gives meaning to my life,” says Márcia. In 1996 she helped create the Instituto Baleia Jubarte, a NGO that now provides administrative and financial support in the conservation and research efforts for the humpback whales. Márcia Engel is currently the director of the project.


Environmental Protection Law – In 1987, Law 7643 prohibited Cetacean hunting in Brazilian waters. This was a very important step for a country that, up till then, still had a whaling station in Costinha, in the state of Paraíba, and whose representatives participated in the meetings at the International Whaling Commission as whaling advocates. The whalers lost to the pro-conservation worldwide campaign that ended whaling and implemented an international moratorium, which is still in place today.


Whale watching – it has been proven that a live whale generates much more income for the communities near their sightings than as a meal on a Japanese or Norwegian plate. Whale watching tourism generates over US$1 billion per year in 90 countries. According to researchers from Massey University, over the 50 to 60 years a humpback whale lives, it generates around US$1 million for those in the tourism, hotel, retail, and restaurant business in the local communities. In the Japanese markets, products derived from a caught whale yield about US$ 250 thousand. The income that once belonged to only a few during the whaling season is now better distributed among those in the whale watching tourism business.
This modality of tourism began in Brazil, in the 90s, with humpback whale watching tourism at the Parque Nacional Marinho dos Abrolhos. It is growing and has great potential, especially in the state of Bahia with the humpbacks, and in the state of Santa Catarina with whales of the Franca species. In 2004 alone, 1.300 visitors participated in whale watching activities at the Praia do Forte. Whale watching tourism is also a very useful tool to increase the public’s awareness of marine conservation.
The awe inspiring view of a 40 ton whale projecting ¾ of its body out of the water with a jump, or the tranquil sight of a female swimming with her newborn pup, which already weighs about 2 tons and is around 4 meters in length, are unforgettable scenes. These images promote an effective awareness in the observers. It is considered the best way to increase the number of people against whaling.


Repopulation – The humpback whales began a slow but gradual process of repopulation. Today, sightings of humpback whales jumping a few miles from the beaches in Salvador, and other places on the coastline of Bahia and Espírito Santo, are becoming more and more frequent.
The Institute estimates that at least four thousand humpback whales seek the waters of Bahia and Espírito Santo every year during the mating season, between July and November. In Brazil, the Franca and humpback whale populations were practically decimated, to the point of there not being any sightings of these animals for several years. Recent estimates indicate that the current Brazilian humpback whale population is approximately 25% of its original population. The beachings caused by sea vessels running into them, getting caught in fishing nets, ocean contamination and ensonification must be monitored and minimized to try and guarantee the survival and repopulation of these animals.


 

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Comedouros Criativos

A alimentação complementar aumenta a diversidade nas cidades

Publicado

em

 

Importante lembrar que aquele hábito antigo de colocar ração ou frutas em um recipiente fora de casa para atrair os passarinhos, não era capricho das nossas avós: essa prática de fato beneficia as espécies a longo prazo. A revista científica “Nature Communications” monitorou voluntários que, durante quatro décadas, gostavam de alimentar pássaros em comedouros de jardins e praças urbanas do Reino Unido. O estudo foi publicado comprovando que o número de pássaros não só aumentou como outras variedades se aproximaram e sobreviveram às intempéries e ao forte avanço dos centros urbanos.

No Brasil, que não tem um inverno tão forte, ocorre fenômeno semelhante. Um fato de fácil constatação é que o número de espécies que não frequentam a “boca-livre” permaneceu estável. Também não há aumento na quantidade de pássaros em regiões onde os comedouros não são tão comuns.

Nos comedouros preparados por Johan Dalgas Frisch na sua casa, no centro de São Paulo, logo ao amanhecer, as primeiras interessadas que chegam logo ao amanhecer são as jandaias.

 

HIGIENTE É IMPORTANTE

Mas há um dado significativo e essencial: a higiene dos comedouros é super importante. Não basta colocar alimentos nos jardins de sua casa e garantir a alimentação diária às aves. A má higiene dos comedouros pode contribuir para a transmissão de doenças entre as aves e atrair animais não desejáveis como ratos. Por isso, certifique-se de que o seu comedouro esteja sempre limpinho.

 

AS LIÇÕES DE ROBERTO HARROP

Os comedouros para aves podem ser sofisticados e muito simples. Podem servir de objetos de decoração e algo bem natural como simplesmente colocar um pedaço de frutas espetados num galho de árvore.

 

O cientista social e pesquisador de mercado Roberto Harrop é fascinado por aves. Pernambucano do Recife, tem residência no Condomínio Bosque Águas de Aldeia, onde se dedica a estudar, alimentar, proteger e fotografar as aves da região.

 

Roberto Harrop faz do estudo, da pesquisa e da proteção da natureza seu meio de vida. Na região onde mora, são centenas de espécies de aves , sendo quase cem já fotografadas por Roberto Harrop. Muitas delas compõem seu livro ALVES DE ALDEIA – ORNITOLOGIA DA NAÇÃO PERNAMBUCANA.

 

AVES DE ALDEIA seleciona 75 pássaros do universo ornitológico plantados na aldeia pernambucana onde Roberto Harrop colhe todas as manhãs pelo seu olhar ornitófilo.

 

No prefácio da publicação, o ornitólogo Johan Dalgas Frisch foi muito feliz ao dizer: “… As aves são assim: provocam paixões e despertam encantamento. As aves alimentam a alma humana de humildade, criatividade, engenho e de amor à natureza”.

 

 COMEDOUROS DECORATIVOS

Alguns tipos de comedouros criativos e decorativos que atraem aves até às varandas e jardins das casas.

 

Continue a Ler

Reportagens

Pantanal apoia primeira brigada comunitária

Primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia, no Pantanal de MT, será formada neste fim de semana

Publicado

em

 

Sesc Pantanal

Treinamento da SOS Pantanal, em parceria com o Polo Socioambiental Sesc Pantanal, acontece nos dias 19, 20 e 21 de junho

 

Começa neste final de semana, o treinamento para a formação da primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia (171 km de Cuiabá), distrito de Barão de Melgaço, no Pantanal mato-grossense.

A turma de 28 pessoas, que inclui moradores e guarda-parques da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), faz parte da iniciativa do Instituto SOS Pantanal para estabelecer 28 brigadas no bioma.

São Pedro de Joselândia faz divisa com a RPPN, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal que é parceiro da ação e responsável pelos equipamentos doados pela SOS Pantanal em benefício da comunidade. A RPPN Sesc Pantanal é a maior reserva natural privada do país, com 108 mil hectares, e também está localizada no município de barão de Melgaço.

COMBATE À INCÊNDIOS FLORESTAIS
As brigadas serão treinadas com apoio do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos recursos naturais renováveis (Ibama), em convênio com a SOS Pantanal. Também apoiam o treinamento o Corpo de Bombeiros e o Serviço Florestal dos Estados Unidos.

A capacitação consiste em duas etapas. A primeira é uma parte teórica, onde são passadas as instruções e os procedimentos para organização das equipes durante o combate. A segunda é a parte prática, onde os brigadistas aprendem no campo como funciona o combate às chamas.

 

BRIGADAS PANTANEIRAS

Durante os meses de junho e julho, a SOS Pantanal capacitará cerca de 200 brigadistas, em 8 municípios diferentes de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As brigadas estão espalhadas nos principais pontos onde historicamente o fogo é mais intenso e recorrente.

 

SESC PANTANAL

Com 20 anos de experiência na prevenção e combate a incêndios no Pantanal, a Brigada Sesc Pantanal também fará parte da formação. A instituição já realizou no mês de maio a sua capacitação anual de novos brigadistas, em Poconé e Barão de Melgaço, que faz parte das ações preventivas do Polo para a temporada da seca no bioma. Realizada em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, a formação foi destinada a 40 pessoas, entre guarda-parques, funcionários de fazendas e comunidades rurais e pantaneiras.

 

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Meu amigo Orlando Villas-Bôas seu nome é paz!

Carta de saudade

Publicado

em

 

A vida ensina sempre. Ensinou a você, Orlando, Álvaro, Leonardo e Claudio, ensina a mim e ensina aos nossos filhos. Uma das coisas que aprendi é que só a saudade faz a gente parar no tempo. Sua despedida neste 12 de dezembro 2003, me fez voltar ao mesmo dezembro de 1972, quando você, que tinha acabado de chegar das margens do rio Peixoto, no Xingu, onde contactava os Krenhacãrore, pegou uma kombi em São Paulo e foi para Belo Horizonte paraninfar a turma de Comunicação da UFMG 1972. Por três dias ficou hospedado na minha “república” no 26ª andar do edifício JK, na praça Raul Soares.

À véspera da formatura, 20 de dezembro de 1972, meus 29 colegas e eu tivemos uma verdadeira Aula Magna de Brasil. Foi a mais importante aula dos meus quatro anos de universidade. A aula que direcionou meu caminhar profissional: o jornalismo de meio ambiente. Éramos 30 formandos que, na véspera da grande festa, sentamos no chão do meu apartamento, em círculo como nas tribos, para embevecidos escutar você falando de florestas, de índios, de brancos, de rios, de solidariedade e de bichos.

Sua primeira lição foi, para mim, ex-seminarista, um susto:

“Desde o Descobrimento o homem branco destrói a cultura indígena. Primeiro para salvar sua alma, depois para roubar sua terra”.

Depois vieram as perguntas para matar nossas curiosidades. Suas respostas doces, duras e definitivas vinham aquecidas pela vasta vivência de décadas na Amazônia, como último dos pioneiros da saga da expedição Roncador/Xingu. Eram ouvidas com máxima atenção:

“Foram os índios que nos deram um continente para que o tornássemos uma Nação. Temos para com os índios uma dívida que não está sendo paga”.

“Não fosse a Escola Paulista de Medicina, a Força Aérea Brasileira e a nossa teimosia, muitas tribos já teriam sido aniquiladas”.

“O Serviço de Proteção ao Índio, no Brasil, nunca teve lugar seguro: começou no Ministério da Guerra, com o Marechal Rondon. Depois foi transferido para o Ministério da Agricultura, estagiou no Ministério do Interior e estacionou no Ministério da Justiça. Como o próprio índio, esse serviço parece um estorvo”.

“O índio só pode sobreviver dentro de sua própria cultura”.

 

AMIGO ORLANDO, você junto com Leonardo, Álvaro e Cláudio, irmãos aventureiros na solidariedade, sempre devem estar relembrando histórias fantásticas. Para os índios, vocês vão se juntar ao Sol e ao trovão para virar lenda. E, para os brancos, deixam uma lição de vida e de coragem.

Das lições daquela noite de 20 de dezembro de 1972, eu guardo uma muito especial. Em vez de ensinar, o homem branco deveria ter humildade para aprender. Você falava da harmonia em uma tribo:
“O velho é o dono da história, o homem é o dono da aldeia e a criança é a dona do mundo”.

 

Meu amigo, obrigado pelas lições dadas há exatos 49 anos.

Obrigado por você ter me apresentado o Brasil e ensinado a ser brasileiro.

Nunca mais vou esquecer que para a criança ser a dona do mundo, nós temos que seguir seu exemplo de garra, de audácia e de aventura para defender nossas culturas, conservar nossa diversidade, preservar nossas florestas, proteger nossos rios e contactar sempre em nome da paz.

A PAZ não se pode manter pela violência e pela força, mas sim pelo respeito, pela tolerância e pela serenidade.

 

MEU AMIGO ORLANDO VILLAS-BÔAS. SEU NOME É PAZ!

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010