Artigos

Maior uso de cloro na pandemia aquece setor de plásticos anticorrosão

Brasil fabrica equipamentos como válvulas, sistemas de medição e controle adequados para processos de produção de hipoclorito de sódio

 

 

A exigência por eficiência sanitária na pandemia trouxe a necessidade de ampliação no uso de produtos como o cloro e a água sanitária, capazes de eliminar microrganismos. E como são substâncias altamente agressivas, apenas determinados equipamentos podem ser usados em contato com esses fluidos.

O crescimento nas vendas foi sentido tanto por indústrias para tratamento de água que utilizam o cloro, como a De Nora, quanto por fábricas de válvulas e sistemas de medição e controle, como a GEMÜ do Brasil.

“O crescimento nas vendas desde o início da pandemia foi de 30%”, conta Valderi Souza, responsável pela Engenharia e Assistência Técnica da De Nora, empresa italiana que está há 30 anos no Brasil. A multinacional conta com o fornecimento de sistemas de tratamento de água para plataformas de petróleo offshore que utilizam hipoclorito de sódio para evitar o crescimento de algas dentro da tubulação.

“É crucial termos segurança antivazamento e anticorrosão em todo o sistema, e com isso os produtos que instalamos devem ser resistentes à corrosão”, explica.

Entenda as vantagens do plástico contra vazamentos

Visto que o hipoclorito é altamente corrosivo e um oxidante muito forte, o metal não é indicado nesses casos, e sim o plástico. “Pela compatibilidade, quando o fluido corrosivo entra em contato com os equipamentos, eles não sofrem ataque químico”, conta o engenheiro.

Isso porque as características químicas e físicas dos diferentes fluidos operados em cada planta industrial exigem materiais específicos para os dutos e equipamentos com os quais terão contato. Para essa escolha, devem ser consideradas as condições de temperatura e pressão, com corpo da válvula e medidores de vazão construída em material plástico: PVC, PoliPropileno (PP) ou PVDF (fluoreto de polivinilideno).

Cada equipamento traz uma gama de aplicações – um aguenta temperaturas mais altas, outro, determinado produto químico etc. “Em geral, os plásticos têm um peso baixo devido à densidade reduzida, são apropriados para a produção seriada, exigem poucas etapas de operação, vêm em cores variáveis, o que pode auxiliar na identificação de maquinário, possuem resistência à tração e elasticidade contra rupturas, bom comportamento interior de elasticidade e deformação, boas propriedades antifricção e alta resistência química”, explica o gerente geral de vendas da área industrial da GEMÜ do Brasil, Mateus Souza. A empresa fornece esse tipo de equipamento há 40 anos, com planta em São José dos Pinhais (PR).

Outras tubulações que exigem o plástico por conta do cloro são os sistemas de piscina, estações de tratamento de água que realizam a dosagem do cloro, além de locais onde é utilizado o ácido sulfúrico.

GEMÜ é multinacional que atua em 50 países

O Grupo GEMÜ desenvolve válvulas, sistemas de medição e controle para líquidos, vapores e gases. No caso das soluções para aplicações estéreis, a empresa é líder mundial de mercado. Em 2020, registrou um faturamento acima de 330 milhões de euros, e conta atualmente com mais de 2 mil funcionários em todo o mundo. A GEMÜ atua em mais de 50 países, em todos os continentes.

 

Sobre a GEMÜ – A filial da multinacional alemã criada por Fritz Müller na década de 1960 disponibiliza ao mercado brasileiro válvulas de extrema eficiência e qualidade. A planta situada em São José dos Pinhais (PR), que conta com 100 colaboradores e completa 40 anos em 2021, produz válvulas e acessórios para o tratamento de água e efluentes em indústrias de todas as áreas, como siderurgia, fertilizantes e setor automobilístico, bem como para integrar sistemas de geração de energia. Na área de PFB (farmacêutica, alimentícia e biotecnologia), a GEMÜ é líder mundial e vende para toda a América Latina produtos de alta precisão, com atendimento local, além de consultoria com profissionais capazes de orientar na escolha da melhor solução em válvulas para cada aplicação. Mais informações: www.gemue.com.br.

 

 

 

 

Artigos

TUPI GUARANI e o PORTUGUÊS

Published

on

Pensando alto: os Yanomami, outrora longe dos ‘homens brancos’, eram felizes na Floresta Amazônica. Atualmente, enfrentam a ameaça da destruição pela intensa presença de garimpeiros ilegais.

Na verdade, o Brasil de 1500 era dos índios. Aqui viviam mais de 5 milhões deles. Depois da Descoberta por Cabral, a população indígena foi se definhando e a ocupação e exploração de suas terras virou uma triste realidade.

A propósito dos índios Ianomami, estava pensando na contribuição do Tupi Guarani à nossa Língua Portuguesa.

De acordo com o Censo, que leva em consideração pessoas com mais de 5 anos de idade que usam o idioma em seu próprio domicílio, as línguas mais usadas no Brasil são o tikuna (com 34 mil falantes), o guarani kaiowá (com 26,5 mil), o kaingang (22 mil), o xavante (13,3 mil) e o yanomami (12,7 mil).

O TUPI diz respeito à língua Tupinambá, que era falada pelas comunidades indígenas existentes no Brasil quando o território foi colonizado pelos portugueses.

O GUARANI, por sua vez, é a língua falada pelas nações que são encontradas na Argentina, Paraguai, Bolívia e Brasil.

O tema TUPI-GUARANI, origem de um mundo de palavras hoje no nosso Português, é um assunto fascinante.

O tupi-guarani é uma das mais importantes línguas indígenas da América do Sul. O tronco TUPI é o maior, com alguns dialetos por todo o litoral brasileiro.

O padre jesuíta José de Anchieta pesquisou e chegou a redigir até uma gramática de tupi-guarani. Daí que muitas palavras têm origem no tupi-guarani.

O português se firmou no Brasil por uma sucessão de fatores: a expulsão dos jesuítas do Brasil no século 18 pelo marquês de Pombal, a chegada da corte portuguesa em 1808 e o acelerado processo de urbanização. Ainda assim, o português acabou sendo marcado para sempre pelo TUPI GUARANI.

Até hoje, centenas de palavras que nós falamos no Brasil têm origem indígena.

É interessante estudar a origem do nome de muitas cidades brasileiras.

Exemplos:

Itabira: pedra de ponta
Itaberaba: pedra brilhante
Itacolomi: filho ou o menino de pedra.
Itacorubi: de rio das pedras esparsas.
Itaguaçu: pedra grande ou muitas pedras.
Itai-guaçu: rio da pedra grande.
Itaimbé: pedra pontuda, afiada.
Itai-mirim: rio da pedra pequena.
Itaipava ou itapava: pedra levantada; recife, travessão rochoso.
Itajai-guaçu: de Itajai grande.
Itajai-mirim: de Itajai pequeno.
Itajuba: pedra amarela.
Itajubá: pedra amarela.
Itamirim: pedra pequena.
Itapemirim: caminho da pedra pequena
Itapema: pedra rasa, lajeado.
Itamonte: pedra na montanha
Itaperobá: pedra do caminho da canoa.
Itapitanga: pedra vermelha
Itapitinga: pedra de lajedo branco.
Itapoã: pedra redonda.
Itaqui: de pedra afiada, pontuda.
Itatiba: muita pedra, abundância de pedras.
Itaúna: pedra preta.
Itamaramdiba: pedra que rola
Continue Reading

Artigos

GRATIDÃO ETERNA A MEU AMIGO REI

Published

on

 

Continue Reading

Artigos

LEMBRANÇA DE PELÉ EM BRASÍLIA.

Published

on

 

Era 19 de novembro de 2008. Inauguração do novo estádio Bezerrão no Gama.
Dois personagens importantes e uma data para se lembrar:
1) PELÉ dá o pontapé inicial com todas honras e circunstâncias;
2) A meu pedido, pois ela estava em Brasília, e com a ajuda do então embaixador Francisco Seixas da Costa e o pianista Adriano Jordão, a cantora portuguesa Eugénia Melo e Castro canta o Hino Nacional de Portugal: seria a primeira vez que o Hino Português era cantado ao vivo numa partida de Portugal.
3) A pedido do então governador José Roberto Arruda, Zezé de Camargo cantou o Hino Nacional.
4) Nesse dia 19, se comemorava 39 anos do GOL MIL do REI.
Pra quem quiser matar a saudade, é só assistir. Vá bem no início do filme.
Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010